Desenvolvemos instrumentos e adoptamos novas tecnologias para nos facilitar a vida e tornamo-nos dependentes destes, acabando por trabalhar mais, na medida em que levamos trabalho para casa. Consultamos o email profissional noutros contextos da nossa vida, que não no nosso trabalho. E se por um lado, há quem procure o work-life balance, hoje em dia, começamos a assistir ao work-life integration. Para muitos, uma oportunidade de trabalhar em um outro local que não no escritório da empresa. Para outros, uma dificuldade em “separar as águas” e os mais diversos momentos da sua vida.

Deste modo, e enquanto as vantagens do work-life integration tardam em chegar para alguns, é importante dar resposta aos objectivos que gostaríamos de concretizar em cada uma destas duas áreas da nossa vida, a profissional e a pessoal:

  1. Livre-se das “vacas” da sua vida: uma série de (des)culpas ou de argumentos, justificações, mentiras, medos, hábitos ou falsas crenças que nos toldam a visão e atam as mãos para agir. Na realidade, devemos abraçar não só os nossos sucessos, como o facto de termos a responsabilidade pelo que fazemos ou deixamos de fazer. Como “nem todas as vacas mugem como vacas” é essencial estar atento às formas que as mesmas podem assumir para usufruirmos do nosso verdadeiro potencial! Pense primeiro, qual a sua “vaca”?!
  1. Defina objectivos: específicos, mensuráveis, alcançáveis (mesmo que difíceis), definidos no tempo, de acordo com os seus princípios e positivos. Quando reflectir sobre os seus objectivos que ficaram no passado, feche os olhos e imagine-se a concretizá-los no futuro. Pense se é algo que já foi capaz de fazer antes, se é algo que o entusiasma só de pensar na possibilidade de o realizar, se é algo que o vai levar além dos seus limites actuais? Registe as suas ideias e vontades e arrume as suas preocupações para definir as suas prioridades.
  1. Crie um plano de acção: estruturado e que contemple os recursos que tem disponíveis e que antecipe eventuais obstáculos e contratempos. Procure estruturar o seu tempo incluindo no mesmo a criação de hábitos saudáveis, momentos que lhe proporcionem prazer e o impulsionem para a acção. Quantas mais actividades apaixonantes fizer, estará a fazer coisas que contribuem para a sua felicidade. Se precisar de um empurrão para a acção, partilhe os seus planos com outros que o possam motivar, ainda mais, para o fazer avançar.

Acabe com a procrastinação, arrume na gaveta as desculpas do “não tenho tempo”, “não vale a pena”, “tenho receio” ou “fica para amanhã” e assuma os seus compromissos. Porque “um dia destes” não existe no meu calendário e porque também não deve existir no seu, se quer verdadeiramente algo, pare para analisar a situação e prepare-se para a mudança e para abraçar coisas grandiosas (para si, pois é isso que interessa).